Raul Manarte[1]Psicólogo, compositor, músico e fotógrafo. Membro dos be-dom (grupo performativo cujos instrumentos musicais fazem jus à sustentabilidade), desde a sua fundação, em 1999, e fui compositor, … Continue a ler

A minha atividade artística andou sempre de mãos dadas com o exercício de psicologia clínica, quer a nível nacional, quer internacional, ao qual associei o trabalho humanitário. Fiz então várias missões realizadas com os Médicos Sem Fronteiras e em várias partes do mundo, nomeadamente em Moçambique, Bolívia, Brasil, Ucrânia, Guiné-Bissau e Grécia.

Na ilha grega de Lesbos, criei o vídeo “Moria”, composto, gravado e filmado na minha segunda missão no campo de refugiados de Mória (já lá tinha estado em missão antes). Este campo de refugiados era conhecido por ser o pior da Europa…

Na realidade, estavam 20 mil pessoas num campo que foi concebido para 3 mil. E o que por lá se passava era, de facto, muito difícil de observar e ficar indiferente. Havia menores esfaqueados quase todos as noites; eram meses e meses de espera para uma entrevista ditar se as pessoas tinham “direito” a estatuto de refugiado ou não. Havia mulheres a dormir de fraldas com medo de irem ao wc à noite e de serem violadas. Na verdade, estava destinado um wc para cada 80 pessoas, sem água quente, sem luz… Enfim…

Havia sempre muitas mortes. A maioria das pessoas dorme em tendas e todos os anos se registam várias mortes devido ao frio. A prevalência de problemas de saúde mental é elevada. Há casos regulares de agressão física e sexual, e há tentativas de suicídio, mesmo em crianças.

A vivência neste campo, neste lugar e nesta hora foi uma experiência avassaladora que procurei registar de forma a poder transmitir não apenas imagens, mas também sentimentos e emoções. “Moria” já foi usado em campanhas de mobilização de ajuda humanitária para os campos de refugiados na Grécia e pode ser visionado através do link: https://www.youtube.com/watch?v=G5DiofUsP9Q.

References
1 Psicólogo, compositor, músico e fotógrafo. Membro dos be-dom (grupo performativo cujos instrumentos musicais fazem jus à sustentabilidade), desde a sua fundação, em 1999, e fui compositor, letrista e guitarrista no projeto Papillon, de 2016 a 2018.
[1]Psicólogo, compositor, músico e fotógrafo. Membro dos be-dom (grupo performativo cujos instrumentos musicais fazem jus à sustentabilidade), desde a sua fundação, em 1999, e fui compositor, … Continue a ler A minha atividade artística andou sempre de mãos dadas com o exercício de psicologia clínica," data-link="https://sinergiased.org/a-missao-humanitaria-um-desafio/">

Compartilhe nas suas redes

References
1 Psicólogo, compositor, músico e fotógrafo. Membro dos be-dom (grupo performativo cujos instrumentos musicais fazem jus à sustentabilidade), desde a sua fundação, em 1999, e fui compositor, letrista e guitarrista no projeto Papillon, de 2016 a 2018.